O que você vai assistir neste sábado de festival?

Foto do filme De Onde Viemos, Para Onde Vamos

Neste sábado (11), a Mostra Competitiva do Festival de Brasília estreia De Onde Viemos, Para Onde Vamos, longa filmado na Aldeia de Santa Isabel do Morro, Ilha do Bananal (TO). Por lá, a diretora Rochane Torres documenta o povo indígena Iny e seus conflitos geracionais de identidade, sobretudo entre os jovens que cada vez mais absorvem a cultura branca. Às 23h no Canal Brasil, e à 01h30 de domingo (12) na InnSaei.

Às 22h30 estreiam outros dois curtas na InnSaei: Sayonara, de Chris Tex, ficção paulista sobre uma garota planejando vingar-se de quem a traumatizou; e N.F. Trade, filme brasiliense de Thiago Foresti, explora o universo das criptomoedas e NFTs com o personagem Barreto, produtor de hortaliças que não gosta de vender por moedas convencionais.

Cena do filme Sayonara
Cena do filme N.F. Trade

Na Mostra Brasília estreiam às 20h os curtas Vírus, de Larissa Mauro e Joy Ballard, e A Casa do Caminho, de Renan Montenegro. O primeiro é motivado pela pandemia de Covid-19, e tem tom de biografia confessional e reencontro pessoal de uma das diretoras consigo. O segundo, também biográfico, fala da exaustão no processo de migração, retratando as consequências dos conflitos geopolíticos venezuelanos. Hoje é dia de estreia, também, do longa Advento de Maria, ficção de Vinícius Machado que conta a história de uma menina transgênero de 11 anos na busca por sua identidade.

ÚLTIMA CHANCE
Última chance pra assistir aos longas Ela e Eu (até 23h30) e Acaso (até 20h). Expiram também os curtas Cavalo Marinho e Filhos da Periferia (às 20h), e Como respirar fora d’água e Cantareira (às 22h30).

Homenagem a Flávio Migliaccio
Estreia hoje às 11h na mostra Festivalzinho o longa Aventuras com Tio Maneco, dirigido e protagonizado pelo mestre Flávio Migliaccio. Produção infantil de 1971 em que três crianças desbravam as selvas do Mato Grosso enfrentando contrabandistas, animais ferozes e robôs para encontrar seu avô. A exibição da cópia restaurada celebra a memória de Migliaccio, ator fundamental para a TV e o cinema brasileiros. Disponível até às 11h de domingo (12).

 

Helena Solberg

Helena Solberg

Helena Solberg é convidada para ministrar a masterclass Meu primeiro filme, neste sábado às 19h. A partir da exibição de A Entrevista (1966), seu curta de estreia, a diretora de Bananas is my business (1995), Palavra (En)cantada (2009) e Meu corpo minha vida (2017) desfila os desafios e delícias do começo da carreira de diretora. (entre na atividade)

Debates

Os tradicionais debates entre filmes exibidos nas mostras competitivas segue hoje, em duas sessões: Mostra Competitiva às 10h, reunindo equipes de Acaso, Deus me Livre e Adão, Eva e o Fruto Proibido sob mediação da jornalista Luciana Costa (entre na atividade); e Mostra Brasília às 17h, reunindo os filmes Noctiluzes, Benevolentes e Ele tem Saudade para debate mediado pela fotógrafa e professora Rose May Carneiro (entre na atividade).

O festival do pensamento em cinema

As atividades do ambiente de mercado, bem como os painéis setoriais e seminários são temperos essenciais na composição do Festival de Brasília, baseado desde sempre na formação e na pesquisa. E se você ama falar de cinema, vai ser um sábado daqueles! Hoje as atividades exploram hibridismos e pontes entre cinema e outras linguagens artísticas.

Christiane Jatahy

Em Cinema híbrido, às 10h, Sílvio Tendler entrevista a cineasta Susanna Lira, tratando das técnicas de teatro e ficção presentes em sua direção para documentários (entre na atividade). Ao meio dia, Christiane Jatahy, Daniela Thomas e Ricardo Cota debatem sobre o poder de atravessamento da imagem através das muitas artes, na atividade Arte híbrida: quando o cinema encontra o teatro (entre na atividade).

Às 14h, Cinema, outras artes e linguagens reúne Antonio Quinet, Vitor Pordeus, Livio Tragtenberg e Sílvio Tendler pra falar de pontes entre cinema e poesia, psicanálise e música (entre na atividade). Às 16h30, Rafa Sampaio, Adriana L. Dutra, Sandro Fiorin e Ilda Santiago debatem Os mercados e os festivais para o cinema brasileiro, sobre a internacionalização do nosso cinema através das exibições pelo mundo (entre na atividade).

Vem ver a programação desta quinta (9) no Festival de Brasília

Foto do filme Acaso

Embora esta edição do Festival de Brasília seja realizada virtualmente, tem sido gratificante sentir o calor dos encontros proporcionados pelo festival, mesmo através das telas. A programação desta quinta(9) une passado e futuro, bebe na tradição e projeta o novo do cinema nacional. Confira agora o que a quinta-feira te reserva no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Mostra Competitiva

Foto do filme Adão, Eva e o Fruto Proibido

Ainda é possível assistir aos curtas e longas que estrearam na noite anterior: Filhos da Periferia e Chão de Fábrica ficam disponíveis até às 22h30, e o longa Lavra segue em cartaz até às 23h30 na InnSaei.TV. Hoje às 22h30 estreiam os curtas Adão, Eva e o Fruto Proibido, um reencontro de uma mulher trans e seu filho adolescente, separados após o nascimento, e Deus Me Livre, um relato da dura realidade dos coveiros no cemitério que mais enterrou vítimas de Covid-19 no Brasil (Vila Formosa, São Paulo, o maior da América Latina). Às 23h30, o Canal Brasil exibe Acaso, longa de estreia de Luis Jungmann Girafa: uma proposta on the road pela via W3 Sul de Brasília, na visão do diretor. Logo após, à 01h30, a InnSaei.TV estreia o longa, restando disponível até às 23h30 de sexta.

Ruy Guerra 90 anos

Ruy Guerra

Falar de Ruy Guerra não é fácil. Mais difícil ainda sendo este tão importante pra história do Festival de Brasília. Moçambicano, estudou cinema em Paris, fez do Brasil sua casa e celebrou 90 anos em agosto de 2021. Convidado ilustre de Brasília, este artista completo reflete sobre seu quase-século de contribuições ao cinema e à vida brasileira na masterclass Um Artista Completo, apresentada nesta quinta às 19h. Assista!

Mostra Brasília

Foto do filme Cavalo Marinho

A première da Mostra Brasília hoje repete a dose da seleção nacional e também exibe o longa Acaso a partir das 20h. No mesmo horário, estreiam Filhos da Periferia – também concorrente na mostra competitiva nacional – curta de Arthur Gonzaga que narra uma história de amizade e violência em contexto periférico; e Cavalo Marinho, documentário do brasiliense Gustavo Serrate realizado no litoral capixaba, retrata um grupo de jovens amigos unidos pelo cuidado e amor ao treinar cavalos para as rotinas diárias. Seguem em cartaz as mostras Sessentinha, Filhos da Periferia e Festivalzinho.

Pesquisa

Queremos saber o que você tá achando desta edição virtual do Festival de Brasília. Responda à pesquisa de satisfação e concorra no sorteio de 30 catálogos do festival. Item disputado todos os anos, o catálogo impresso é um livro que carrega a memória de cada edição do evento, e serão enviados para a casa dos vencedores do sorteio (caso o endereço seja em território brasileiro). Participe!

Seminários do dia

Graciela Guarani

No centenário do documentarista francês Chris Marker (1921-2012), o Festival de Brasília promove atividade em sua homenagem hoje às 10h, convidando o veterano crítico de cinema francês Robert Grelier para uma conversa com Sílvio Tendler, um dos curadores do festival (assista!). Às 14h, o seminário Cinema na primeira pessoa: quebradas, indígenas e quilombolas reúne Divino Tserewahú, Graciela Guarani, Sol Bueno, Eduardo e Marcos Carvalho para uma conversa mediada por Fauston Silva (assista!). Às 16h30, a pauta são os mercados de games, VR e outras realidades. O papo é mediado por Eliana Russi e tem Ana Arruda, Ana Ribeiro e Liana Brazil (SuperUber) como convidadas (assista!). 

Debates

Tradicionalmente o Festival de Brasília programa acalorados debates matinais sobre filmes exibidos nas noites anteriores. Hoje às 10h começamos a maratona com presença de equipes dos filmes Alice dos Anjos, Ocupagem e Terra Nova, sob a mediação da jornalista Ana Rodrigues (assista!). Às 17h é a vez de iniciarmos os debates sobre os filmes da Mostra Brasília. Hoje é dia das equipes de O Mestre da Cena, Tempo de Derruba e Tinhosa, debaterem com a pesquisadora das áreas de arquitetura e cinema Liz da Costa Sandoval (assista!). 

NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail em nossa newsletter e fique por dentro das novidades do Festival.