Não acabou! Confira o que te reserva a segunda-feira no Festival de Brasília

Tá pensando que o festival de Brasília acabou? Mas que nada… Se liga no que você ainda pode assistir hoje e amanhã!

Abdzé Wede´Õ – Vírus não tem cura?

O filme de encerramento do festival estreia hoje às 18h, e fica disponível na InnSaei.TV até às 20h de amanhã. Abdzé Wede´Õ – Vírus não tem cura? (MT), de Divino Xavante aborda a luta dos povos Xavante contra o coronavírus. Já que ninguém me tira pra dançar, sobre Leila Diniz, está disponível até às 23h59 do dia 14 de dezembro (terça). Assim como Catadores de História, longa de Tânia Quaresma apresentado como homenagem da Mostra Brasília.

Os curtas Era uma Vez… Uma Princesa (RS) e Da Boca da Noite à Barra do Dia (PE), e o longa Saudade do Futuro (RJ), estão disponíveis até o fim do dia de hoje (22h30 para os curtas, 23h30 para o longa). Também dá tempo de assistir ao longa O Menino e o Mundo, disponível só até às 11h, e aos 15 curtas programados pelo Festivalzinho, disponíveis até às 23h59 do dia 14 de dezembro (terça).

Saudade do Futuro

A Mostra Sessentinha tem nove clássicos da cinematografia brasiliense disponíveis, Alma Palavra Alma, Atlântico Negro – Na Rota dos Orixás, Louco por Cinema, Um Assalto de Fé, Sequestramos Augusto César, Braxília,  W3 Sul – Memória Coletiva e A Saga das Candangas Invisíveis. A Sessentinha programa, ainda, uma homenagem aos 50 anos de O País de São Saruê, longa icônico de Vladimir Carvalho. Títulos disponíveis até às 23h59 do dia 14 de dezembro.

Pela Mostra Memória e Linguagens, você ainda pode ver o clássico Samba Riachão (2001), filme de Jorge Alfredo sobre o sambista baiano; e Procura-se Meteorango Kid: Vivo ou Morto documentário de Marcel Gonnet e Daniel Fróes ainda não lançado em salas do Brasil, sobre o mítico personagem Meteorango Kid do filme homônimo de André Luiz Oliveira, ícone da contracultura censurado pela ditadura em 1969. Disponíveis até às 23h59 do dia 14 de dezembro.

Debates e Seminários

Maria Abdalla

Às 10h, as equipes dos filmes Sayonara, N.F. Trade e De Onde Viemos, Para Onde Vamos participam de debate da mostra competitiva, mediado por Glória Teixeira (entre na atividade). Às 15h acontecem os debates entre os quatro filmes da mostra Memória e Linguagens, com mediação de Sílvio Tendler (entre clicando aqui).

Encerrando a programação de seminários e painéis setoriais, Clarissa Motter, Remi Castioni, Liz Sandoval e Mike Peixoto e Bárbara Cabral debatem Cinema e Conhecimento às 14h (entre na atividade). Às 16h, Claudia Dutra, Luiza Lins, Zita Carvalhosa, Josiane Osório, Maria Abdalla, Aleques Eiterer e Marilha Naccari debatem as perspectivas para o circuito de festivais no Brasil e no exterior (entre na atividade).

Queremos saber o que você tá achando desta edição virtual do Festival de Brasília. Responda à pesquisa de satisfação e concorra no sorteio de 30 catálogos do festival. Item disputado todos os anos, o catálogo impresso é um livro que carrega a memória de cada edição do evento, e serão enviados para a casa dos vencedores do sorteio (caso o endereço seja em território brasileiro). Participe!

 

Festival de Brasília exibe filme inédito sobre Leila Diniz em sua abertura

Entre 7 e 14 de dezembro de 2021, os entusiastas do cinema nacional têm encontro virtual marcado na 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Em função da pandemia de Covid-19, todas as atividades apresentadas acontecem virtualmente, contemplando a exibição dos 63 filmes programados na plataforma de streaming InnSaei.TV, sendo os longas da mostra competitiva nacional apresentados também no Canal Brasil.

Com cerimônia de abertura transmitida pela InnSaei, a homenageada da noite é Leila Diniz, frequentadora ilustre do Festival de Brasília em seus primeiros anos. Apresenta-se Já que Ninguém me Tira pra Dançar de Ana Maria Magalhães (91 min, 2021, RJ), documentário realizado a partir de restaurações de entrevistas concedidas por Leila (1945-72). Nesta noite, a cineasta e gestora cultural Olga Futemma recebe a medalha Paulo Emílio Salles Gomes, concedida a grandes contribuintes da memória e pensamento do cinema nacional.

No encerramento do festival, além da divulgação dos vencedores das Mostras Competitiva e Brasília (filmes já divulgados, veja aqui), apresenta-se Abdzé Wede’ÕVírus não tem cura? (55 min, 2021, MT), obra de Divino Xavante que denuncia os impactos do Coronavírus na vida dos povos Xavante. Durante a cerimônia de premiação, homenageia-se a atriz Léa Garcia (88 anos), que ganha Candango Especial pelo Conjunto da Obra.

O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é realizado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF em parceria com a Associação Amigos do Futuro e apoio do Canal Brasil, InnSaei.TV, Naymovie e CiaRio. 

NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail em nossa newsletter e fique por dentro das novidades do Festival.