Mostras paralelas exibem mais de 30 títulos para públicos de todas as idades

Em 2021 o Festival de Brasília exibe duas mostras paralelas propostas pelos curadores do festival – Tânia Montoro e Sílvio Tendler. A mostra Sessentinha, reúne nove clássicos do cinema brasiliense, entre eles Louco por Cinema (André Luiz Oliveira, 100 min, 1995, DF), Braxília (Dannyella Proença, 17min35s, 2010, DF), Sequestramos Augusto César (Gui Campos, 22 min, 2004, DF) e a exibição especial de cópia restaurada de O país de São Saruê (Vladimir Carvalho, 123 minutos, 1971, PB).

A mostra Memória e Linguagens é composta por quatro longas-metragens que investigam a cultura brasileira por meio de personagens, situações, criações artísticas e da própria formatação da identidade nacional. Os Ossos da Saudade (Marcos Pimentel, 107 minutos, 2021, MG), Procura-se Meteorango Kid: vivo ou morto (Marcel Gonnet e Daniel Fróes, 99 min, 2022 – previsão, BA), Rolê – Histórias dos Rolezinhos (Vladimir Seixas, 82 min, 2021, RJ) e Samba Riachão (Jorge Alfredo, 86 min, 2001, Bahia) são os títulos exibidos.

Outros dois longas e 15 curtas ganham exibição pelo Festivalzinho, mostra infanto-juvenil com curadoria do Cineduc – Cinema e Educação, dividida entre a exibição do premiado longa O Menino e o Mundo (Alê Abreu, 80 min, 2013, SP), de cópia restaurada do de Aventuras com Tio Maneco (Flávio Migliaccio, 97 min, 1971, RJ), e de dois programas com curtas-metragens: um voltado a adolescentes de 13 a 17 anos, e outro para crianças de 6 a 9 anos, com obras do Amazonas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e São Paulo. 

O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro é realizado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF em parceria com a Associação Amigos do Futuro e apoio do Canal Brasil, InnSaei.TV, Naymovie e CiaRio.